Obra do belga René Magritte resume bem o conceito dadaista

Obra do belga René Magritte resume bem o conceito dadaísta

Eu, que não sou um grande compreendedor da Arte, sempre fiquei encantado com a idéia contida por trás do movimento dadaísta. Questionador da racionalidade – afinal, de que serve a arte, se o homem continuar a cultuar a guerra -, ele apresenta o movimento primitivo da criação: a confusão, o aleatório. Como disse Francis Picabia, o Dadaísmo é a celebração da anti-arte. Se arte naquele período (pós-Primeira Guerra) defendia certos valores, o Dadaísmo defendia o oposto. Arte, para os dadaístas, era o que a arte daquela época não era.

Estranho, não? Se você ficou sem entender o parágrafo acima, não fique mal. O Dadaísmo não pode ser explicado nem em poucos milhões de palavras. Mas uma boa síntese desse movimento artístico pode ser vista na mostra Marcel Duchamp: Uma Obra Que Não É Uma Obra de Arte, a maior exposição individual do artista já realizada na América do Sul.

As quase 120 obras abrigam-se na Grande Sala do MAM e são complementadas com uma segunda exposição, localizada na Sala Paulo Figueiredo do museu: Duchamp-me. Esta consiste de 40 obras do próprio acervo do MAM de artistas inspirados por Duchamp.

Uma grande mostra em homenagem a um dos maiores artistas modernos não poderia ter um preço menor. Então maque na sua agenda e aproveite!

SERVIÇO:

Mostra Duchamp no MAM
Onde: Parque do Ibirapuera, Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº, portão 3, tel: 5085-1300.
Quando: Domingo, dia 21/09, das 10:00 às 18:00.