Você sabe por que o cinema é considerado a sétima arte? Bom, porque há outras seis antes dele. O cinema, aliás, é a arte mais recente de todas. Criado no finalzinho do século XIX pelos irmãos Lumière, foi alçado a tal condição, sendo a única das sete artes não criadas na Antiguidade.

hanuman geomerico eletrico de Pingarilho
“hanuman geomerico eletrico”, de Pingarilho

Mas hoje em dia é tão difícil definir um número exato de tipos de arte, tão complexas são as derivações das primeiras sete, que ouso dizer que qualquer manifestação humana, aliada a um pouco de criatividade, pode ser tida como arte.

Blogar é uma arte, por que não? Jogar Tetris também. O esporte é uma arte. Pelé é arte. Guerra é arte. Plantar melancias é uma arte. Melancias são grandes e gostosas artes.

Enfim, todo esse preâmbulo justifica-se. Os grandes centros urbanos produzem sua própria arte, achada apenas nesses locais. Às vezes – muitas vezes – são manifestações ou intervenções artísticas (como as pichações ou os stickers) que não têm a mesma durabilidade de uma obra tradicional. São efêmeras como as cidades.

E é justamente de arte urbana que trata a exposição Trimassa, aberta ao público na Galeria Choque Cultural até o dia 30. A Choque mostra a arte pop urbana de Porto Alegre através dos seus mais ilustres representantes. Artistas vindos do graffiti, tatuagem, comics e ilustração. A maioria desses talentos já foi mostrada na galeria e tem como característica comum o refinamento. Não se trata de uma “escola” ou “movimento” artístico, mas todos os artistas em questão trocam bastante figurinha e deixam-se influenciar mutuamente. O conjunto é muito impactante e forte.

SERVIÇO:

Trimassa
Onde: R. João Moura, 997, Pinheiros, tel: 3061-4051.
Quando: De segunda a sábado, do 12:00 às 19:00. Até 30/10.