Dança


Pois é, amigos leitores, o fim do ano vai chegando e nós, do Tudo Por Nada, ficamos cada vez mais sem opções de entretenimento para indicar para vocês. Fazer o quê? Afinal, os artistas também merecem suas férias. Ainda mais depois de nos agradarem o ano todo com obras fantásticas e sem cobrar um centavo sequer.

filipetasapatosujoNo entanto, embora em menor quantidade, o fato é que ainda existem dicas culturais que merecem ser divulgadas. Duas delas eu indico agora.

A primeira trata-se da peça Sapato Sujo na Soleira da Porta. Se você tem a língua presa, nem tente pronunciá-la em voz alta. Inspirado em contos do moçambicano Mia Couto, o espetáculo discute o universo dos albergues públicos. O cenário é um deles, ao qual os espectadores são levados após se encontrarem em uma praça. O espetáculo, que acontece no coreto da praça Floriano Peixoto, é montado pelo Grupo do Trecho.

Onde: Largo 13, s/nº, Santo Amaro, tel: 9537-3611.
Quando: Sábado, dia 20, e domingo, dia 21, às 19:30.

Minha segunda dica é o espetáculo de dança Jogos Casuais – muito mais fácil de se pronunciar, por sinal. A proposta do diretor Marcos Moraes (que também atua na peça) é estabelecer um “jogo cênico” que possibilite o espectador refletir sobre as relações reais e virtuais. Temas como solidão, saturação de informações, relacionamentos familiares e dificuldades de encontrar o “centro” do universo regido pela tecnologia compõem a coreografia.

Onde: Galeria Olido, Sala Paissandu, Av. São João, 473, tel: 3397-0171 (60 lugares).
Quando: Sábado, dia 20, às 20:00. Domingo, dia 21, às 19:00.

Vamos dançar?

Vamos dançar?

O Centro Cultural São Paulo (CCSP), a maioria deve saber, estimula todo tipo de manifestação artística, seja ela veiculada por meio da pintura, da escultura, da música, da literatura, do cinema ou da dança.

Se você, caro leitor, freqüenta assiduamente o Tudo Por Nada, já deve ter reparado que os eventos de dança não são dos mais divulgados aqui no blog. Isso se deve não porque a nossa equipe não curta muito essa vertente da arte – de forma alguma -, mas porque, de fato, são poucos os espetáculos do tipo que acontecem na cidade, ainda mais em comparação com os de cinema ou de teatro, por exemplo.

Há pouco tempo mesmo falamos do espetáculo Pode-se apostar que o homem desaparecerá, como um rosto de areia no limite do mar, em cartaz até o dia 19/10 no CCSP. Mas se você quer mais, uma boa oportunidade: a exposição Sisudez e Alegria, Protesto e Desbunde – Cenas da Formação da Dança (Contemporânea) Paulista. O Núcleo de Curadoria de Dança do CSSP preparou uma exposição com 49 fotografias e 14 vídeos que fazem parte do Acervo de Dança do Arquivo Multimeios do Centro Cultural São Paulo.

SERVIÇO:

Sisudez e Alegria, Protesto e Desbunde – Cenas da Formação da Dança (Contemporânea) Paulista
Onde: R. Vergueiro, 1000, Paraíso, tel: 3383-3402. Espaço Flávio Império e Passagens do CCSP.
Quando: De terça a domingo, das 10:00 às 22:00. Até 30/11.

Hernandes de Oliveira

Momento da peça

dizia Karl Marx: “Tudo que é sólido desmancha no ar”. Não poderia haver expressão que melhor sintetizasse o conceito de Modernidade. Vivemos, hoje, num mundo de incertezas, em que mudanças ocorrem em velocidade vertiginosa, onde não temos mais referências em quais nos basearmos.

De certa forma relacionada a isso está a peça Pode-se apostar que o homem desaparecerá, como um rosto de areia no limite do mar, da Key Zetta Cia. Em cartaz no Centro Cultural São Paulo, a peça estréia na próxima quarta-feira, dia 08/10, e fica em cartaz até o dia 19.

Segundo Key Sawao, uma das diretoras da peça, Pode Apostar… “é um espetáculo que mescla as linguagens de dança e teatro. Sem um roteiro pré-definido, quatro personagens iniciam seus percursos e a partir dos encontros entre eles as ações e cenas vão se construindo”.

“A primeira inspiração para este trabalho foi a frase título: ‘Pode-se apostar que o homem desaparecerá como um rosto de areia no limite do mar’. Dá vontade de falar sobre a condição de transitoriedade humana a partir de vários pontos de vista. A peça vai se desenrolando entre momentos intensos, poéticos ou divertidos (os intérpretes formam uma banda ao vivo, por exemplo)”.

Pode-se apostar… foi uma das peças contempladas pela 3ª Edição do Programa de Fomento a Dança, promovido pela Secretaria Municipal de Cultura. Além disso, a Key Zetta e Cia., cujo outro diretor é Ricardo Izzaeta, já recebeu diversos prêmios, como o Funarte Klauss Vianna de Fomento à Dança (2006), e já foi beneficiada por projetos de incentivo à cultural como, por exemplo, o Programa de Ação Cultural, do Estado de São Paulo.

A montagem não é indicada para menores de 16 anos, pois contém cenas de nudez.

SERVIÇO:

Pode-se apostar que o homem desaparecerá, como um rosto de areia no limite do mar
Onde: R. Vergueiro, 1000, Paraíso, 3383-3402. Sala Jardel Filho (324 lugares).
Quando: De quarta a sábado, às 21:00. Domingo, às 20:00. 16 anos.

Se você gosta de fazer diversos cursos e participar de palestras sem pagar nada, mas nunca soube onde encontrar, seus problemas acabaram! A solução responde pelo nome de Oficinas Culturais do Estado. Espalhadas por alguns municípios de São Paulo, inclusive na Capital, com diversas unidades, essas oficinas abrangem os mais variados temas: cursos de rádio, de design gráfico, palestras sobre literatura, sobre censura, oficinas de teatro, aulas de circo e não acaba mais. A maioria das oficinas começaram em agosto e vão até o fim do ano, portanto, já com inscrições encerradas. Mas fique de olho nos demais eventos e na abertura de inscrições para novas oficinas.

Todas as atividades são gratuitas e abertas para o público em geral. Uma ou outra tem pré-requisitos de participação, geralmente, que o interessado tenha algum conhecimento prévio no assunto a ser abordado. No entanto, como eu disse, são realmente poucas. Apenas as mais técnicas.

Um dos destaque deste mês de setembro cabe à Oficina Cultural (OC) da Terceira Idade. Uma das atividades oferecidas é a palestra sobre o valor cultural das rádios novelas, coordenada por Gessy Fonseca. As inscrições võ até o dia 18 e é preciso ter, no mínimo, 55 anos de idade.

Outra oficina interessante, a ser realizada na OC Maestro Juan Serrano, é a de dança afro contemporânea, que disponibiliza apenas 20 vagas para os interessados. As isncrições vão até o dia 18 também. Para participar, é necessário ter mais do que 14 anos.

Para conferir os endereços e a programação completa das sete OCs da capital, basta clicar aqui.

SERVIÇO:

O Valor Cultural da Rádio-Novela
Onde: Av. Rangel Pestana, 2401, Brás, tel: 2692-5166/2796-2635.
Quando: 19/09, das 15:00 às 17:00.

Dança Afro Contemporânea
Onde: R. Joaquim Pimentel, 200, Vl. Brasilândia, tel: 3994-3362.
Quando: De 19/09 a 12/12, sempre às sextas-feiras, das 14:00 às 17:00.

A Oficina Cultural Amácio Mazzaropi, criada em agosto de 1990, é um centro fomentador da cultura brasileira em São Paulo. A casa que fica na região do Brás, zona leste da capital paulista, trabalha o resgate da cultura popular e o intercâmbio entre artistas com atividades nas diversas expressões da arte, para amadores e profissionais. Um dos cursos oferecidos para esse segundo semestre do ano, é a Oficina de dança Afro, coordenada por Marilene de Almeida Santos. As inscrições poderão ser feitas até o dia 6 de setembro, e o critério de seleção para as 40 vagas disponivéis será apenas a ordem da efetuação da matrícula. As aulas terão duração de 3 horas,  em dois dias semanais, por 3 meses e meio, e os interessados devem ter idade igual ou superior a 17 anos.

Oficina de dança Afro
De 8/09 até 15/12 – segundas e quartas-feiras – 18:30 às 21:30

Oficina Cultural Amácio Mazzaropi
Av Rangel Pestana, 2401 – Brás 6292 7071 / 6292 7711