Todo tipo de arte, independentemente do estilo e da técnica que empregue, é parte de um único grande movimento: o criativo. Arte que é arte precisa sempre se renovar ou permitir que seu sentido renove-se com o passar do tempo – tarefa essa digna dos clássicos.

Obra de Henrique Oliveira

Apresentei tudo isso para falar da mostra Nova Arte Nova, em exibição até abril no Centro Cultural Banco do Brasil. Com curadoria de Paulo Venâncio Filho, A exposição apresenta um amplo panorama da arte contemporânea brasileira do século XXI. Reúne cerca de 80 obras, em sua maioria inéditas, de 63 jovens artistas, representando 15 estados brasileiros. Por meio de diversas expressões artísticas como pintura, vídeo, colagem, instalações, esculturas e desenhos, o visitante pode vislumbrar as associações, afinidades e oposições entre formas, técnicas e linguagens.

SERVIÇO:

Nova Arte Nova
Onde: R. Álvares Penteado, 112, tel: 3113-3651.
Quando De terça a domingo, das 10:00 às 20:00 horas. ATÉ 05/04.

Nosso Futuro?

Todo mundo já percebeu que, hoje em dia, somos facilmente domados por qualquer manifestação tecnológica que apareça. Wi-fi, megabytes e desfragmentação são apenas algumas das palavras que começaram a frequentar nosso vocabulário. Daqui a algumas décadas, teremos um estilo de vida igual ao da família Jetson. Talvez seja um exagero, mas é certo que a tecnologia já fincou seu pé USB no nosso cotidiano e vai, aos poucos, moldando nossa cultura.

Um bom exemplo disso é Júlia, protagonista do espetáculo Um Dia (Quase) Igual Aos Outros, cujos ensaios públicos o Centro Cultural Banco do Brasil abre no próximo dia 5. O espetáculo se passa numa casa-estúdio com sistema multimídia controlado por computadores “quase humanos”. É onde vive Júlia (Débora Duboc). Júlia é uma bem sucedida produtora de vídeos decidida a se suicidar, mas ao invés de deixar uma carta inicia a produção de uma “vídeo-carta”, com o intuito de culpar o ex-marido pelo seu triste desfecho. A comédia, que apresenta situações hilárias enquanto Júlia “conversa” com personagens que ligam para ela por engano ou com vídeos em sua sala, é ao mesmo tempo sensível e reflexiva ao tratar de temas latentes na sociedade contemporânea como as relações, a solidão, o emagrecimento obsessivo, o amor, etc.

SERVIÇO:

Um Dia (Quase) Igual Aos Outros
Onde: R. Álvares Penteado, 112, tel: 3113-3651.
Quando: Dias 5, 6 e  7/02, às 19:30. Dia 8/02, 18:30.
(recomenda-se chegar uma hroa antes para retirar o ingresso)

só rindo mesmo

Uma das melhores sensações da vida é dar risada.

Tem vezes que rimos e nem sabemos do que, é o chamado ataque de besteira, quando rimos de graça.

Eu tenho a facilidade de rir sempre em  momentos errados, quando é necessário manter a seriedade, como por exemplo quando eu vejo alguém caindo, pode até ser o meu chefe, eu não vou conseguir segurar a risada.

Quando o assunto é filme, poucos me fazem rir pra caramba.

Eu me divirto mesmo com comédias do cotidiano que criticam sociedades e toda a sua hipocrisia.

E quem acha engraçado esse tipo de filme, o Tudo Por Nada tem uma ótima sugestão.

O “Humor à Francesa” está acontecendo no Centro Cultural Banco do Brasil desde o dia 7 e vai até o dia 18 de janeiro.

Confira aqui a programação e ria de graça.

Missão Cleópatra"

cena do filme "Asterix e Obelix: Missão Cleópatra"

Rua Álvares Penteado, nº 112
Centro – pertinho do metrô Sé
Entrada franca – mediante retirada de senha a partir das 10h no dia da sessão
(70 lugares)

(11)3113-3651/3652

Estátua de Guerreiro, séc. I d.C.

Estátua de Guerreiro, séc. I d.C.

Como todos devem saber, faz 200 anos que a família real portuguesa chegou ao Brasil, mais exatamente, ao porto do Rio de Janeiro. Após o estranhamento inicial, tais portugueses começaram a pôr a mão na massa – ou mandaram os brasileiros assim fazer. Rapidamente, surgiram, em nossa terra, instituições para modernizar a nova capital do império. Dentre elas, um banco, o Banco do Brasil (BB). Pois é, o tempo passa, o tempo voa, e o Banco do Brasil continua numa boa.

No entanto, se você quiser ver a exposição Lusa: A Matriz Portuguesa, o tempo não é seu amigo. Em cartaz até o próximo domingo, dia sete, a mostra abriu as comemorações do bicentenário do BB e da chegada da família real. Ela toma todo o espaço do Centro Cultural Banco do Brasil e tem como objetivo investigar as raízes da cultura portuguesa. No total, são quase 100 peças das mais variadas naturezas (esculturas, mapas, vídeos, quadros etc), que constroem a história de Portugal desde a pré-história até o auge, em 1500, quando era, então, a principal potência do mundo.

Assim que chega ao CCBB, o visitante depara-se com uma cama de 32 metros quadrados na qual é possível deitar e ouvir diversos sons que deram origem à língua portuguesa. Para quem conhece, essa é uma instalação muito semelhante aos totens que há no Museu da Língua Portuguesa, em que se pode escutar o som nativo de diversas palavras do nosso dicionário. Uma outra curiosidade é que a palavra “cama” é uma das únicas que permanecem no vocabulário luso desde os tempos antigos, anterior á chegada dos romanos.

Báculo

Báculo

Há, também, uma grande linha do tempo que relata os principais fatos que marcaram o país, como as descobertas científicas e as publicações dos clássicos literários. Uma sala temática faz questão de homenagear o comércio, atividade de suma importância na história portuguesa. Outra, aborda a influência cristã. Outra, a árabe. E assim por diante.

De fato, Lusa: A Matriz Portuguesa é uma epopéia. A quantidade de conhecimento histórico, artístico e cultural que se absorve numa montagem dessa grandeza é inexplicável. Mais inexplicável ainda é deixar de ir à exposição.

SERVIÇO:

Lusa: A Matriz Portuguesa
Onde: R. Álvares Penteado, 112, Centro, tel: 3113-3651.
Quando: Até domingo, dia 07/09, das 10:00 às 20:00.

Aproveite que nesse domingo, dia 31, não haverá corrida de Fórmula 1, nem Olimpíada e a Igreja estará também aberta a noite, para acordar cedo e ir com a família toda curtir um belo dia cultural no Centro Cultural Banco do Brasil, pertinho do metrô Sé. O evento começa às 15hs, mas como só são 70 lugares, as senhas serão distribuídas a partir das 10hs da manhã e traz a exibição de três curtas-metragens de animação, “Viagem a Marte” de Juan P. Zaramella, “Leonel Pé de Vento” de Jair Giacomini e “Pavão Misterioso” de Mário Galindo e antes dessa mini maratona há uma cena teatral cômica para “quebrar o gelo” e, pra terminar com “chave de ouro” uma oficina recreativa.

Cinema
Local: Cinema e auditório (70 lugares)
Domingo – 31 de agosto, às 15h
Entrada franca – com retirada de senha no dia da sessão, a partir das 10h.

Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo
Rua Álvares Penteado 112. Centro. São Paulo. CEP: 01012-000.
Funcionamento: de terça-feira a domingo, das 10h às 20h.
Informações pelo telefone: (11) 3113-3651/3652
e-mail: ccbbsp@bb.com.br