Quando nós estudamos História no colégio, geralmente aprendemos muito das civilizações européias, das asiáticas e quase nada do resto do mundo, como se ele se limitasse a esse eixo geográfico. Porém, dentre essas raridades que nos ensinam, estão os povos pré-colombianos, mais especificamente os incas, os maias e os astecas. Agora, se eu lhe perguntar quem foram os paracas, você conseguiria me responder? Dificilmente…

Tipica fabricação têxtil paraca

Típica fabricação têxtil paraca

Pois é justamente esse povo o destaque da mostra Paracas: Tesouros Inéditos do Peru Antigo, em cartaz até o dia 02/11 no Centro Cultural Fiesp. São 84 peças paracas, do Museu Nacional de Arqueologia, Antropologia e História do Peru que estão em exibição para o público. A exposição é 100% disposta no chão da galeria. “Os tecidos não serão exibidos verticalmente, pois não podem ser repuxados de forma alguma”, explica Haron Cohen, responsável pela museografia (cuidado e organização) da exposição, em entrevista ao site do Centro Fiesp.

Apesar de haver outros tipos de peça em exibição, que não as têxteis, são justamente as obras em tecido o grande legado artístico-cultural da civilização de Paracas. Surgida em 700 a.C (mas descoberta apenas em 1925), ela tinha como costume enrolar os mortos em volta de camadas de tecido, sendo a mais externa sempre a mais bonita e elaborada.

SERVIÇO:

Paracas: Tesouros Inéditos do Peru Antigo
Onde: Av. Paulista, 1313, tel: 3146-7405/06.
Quando: Segunda das 11:00 às 20:00. Terça a sábado das 10:00 às 20:00. Domingo das 10:00 às 19:00.

Cartaz da peça

Cartaz da peça

Aposto que muitas pessoas já leram o clássico O Médico e O Monstro. Se não leram exatamente esse livro, com certeza Frankenstein não deve ter passado em branco. Mas é justamente baseada no primeiro, que a Cia. La Mina montou a peça O Médico e Os Monstros, com direção de Fernando Neves, no Centro Cultural Fiesp.

O enredo é o mesmo: médico cria ser sobrenatural e tenta solucionar o problema. Apesar de manjada, a história é abordada de uma maneira bem divertida. Mais do que fazer o público rir, já que trata-se de uma comédia, a peça faz uma reflexão sobre como bem e mal convivem em todos as pessoas. Além disso, a direção teve uma boa sacada ao misturar à peça elementos do cinema e das histórias em quadrinhos. Os movimentos caracterizados e exagerados dos atores nos fazem lembrar daqueles antigos seriados de Batman e Robin, em que onomatopéias gigantes surgiam na tela. Um programa ideal para começar bem esse fim de semana, que, aliás, terá dicas especiais aqui no Tudo Por Nada.

A peça não é recomendada para menores de 14 anos e os ingressos são liberados para retirada a patir das 12:00 aos sábados e das 11:00 aos domingos.

SERVIÇO:

O Médico e Os Monstros
Onde: Av. Paulista, 1313, tel: 3146-7405 (456 lugares).
Quando: Sábados e domingos, às 16:00. Até 14/12.

Menino conhece menina (ou menina conhece menino – não importa), mas os dois são de famílias rivais, que nunca aceitariam um relacionamento entre os dois. Então, menino e menina vivem um amor secreto até que um dos dois morre tragicamente.

Aposto que você está pensando: “Já ouvi essa história antes. Talvez na novela dos oito.” Bom, pode até ser. Independentemente da onde você a conheça, a inspiração veio de um só lugar: Romeu e Julieta.

A peça do escritor inglês William Shakespeare continua sendo relida e reproduzida ao longo do tempo em todos os cantos do mundo. Uma prova inqüestionável da atemporalidade de sua obra.

Essa, que é talvez a mais disseminada de todas as sua peças, ganha uma versão brasileira (mais uma, mas não uma qualquer) sob o título de Sacrifício. A montagem em cartaz no Centro Cultural Fiesp, destaca-se por subverter algumas passagens do texto, o que faz com que seja bastante autêntica e não apenas uma outra representação do famoso amor impossível.

SERVIÇO:

Sacrifício
Onde: Av. Paulista, 1313, tel: 3146-7405/06, Mezanino (50 lugares).
Quando: De quarta a sábado às 20:30. Domingos às 19:30. Até 14/12.

Obs: retirar ingressos no dia da apresentação a partir do meio-dia (das onze, aos domingos).