Como alguns de vocês devem se lembrar, eu escrevi recentemente sobre as inúmeras qualidades de São Paulo, essa cidade super-hiper-mega-blaster-agitada, que tão bem acolhe gente de todo o mundo. No entanto, ainda que possua diversas virtudes, São Paulo também têm lá seus defeitos. É essa composição entre bom e ruim que marca as especificidades da nossa metrópole.

Agora, se você quer saber um pouco mais do que há de especial em São Paulo, eu recomendo a exposição Cartografias Dissidentes, que será aberta amanhã, dia 4 de outubro às 15:00, no Centro Cultural São Paulo (CCSP). Sete artistas brasileiros e dois coletivos ibero-americanos lançam um olhar artístico sobre cidades como Caracas, Havana, Madri, Bilbao, Santiago, Barcelona e Buenos Aires, Cidade do México, além de São Paulo. São nove vídeos, ou seja, pura arte eletrônica, concebidos especialmente para a exposição.

Cartografias é o primeiro filhote do projeto Paradas em Movimento, criado pelo CCSP para dar maior suporte às exposições audiovisuais, assim como para dinamizar sua programação. São dez estações multimídias, equipadas com um monitor LCD de 32 polegadas e uma cúpula sonora cada uma.

Logo após a abertura, às 16:00, haverá uma mesa redonda com o curador José Miguel G. Cortés, os artistas Glória Martí e Antoni Abad e o antropólogo José Guilherme Magnani.

SERVIÇO:

Cartografias Dissidentes
Onde: R. Vergueiro, 100, Paraíso, tel: 3383-3402.
Piso da Biblioteca, Piso Flávio de Carvalho e Piso Caio Graco.
Quando: de 04/10 a 21/11. De terça a sexta, das 10:00 às 20:00. Sábados, domingos e feriados, das 10:00 às 17:00.

OBS: no dia 05/10, a exposição estará fechada devido às eleições.

“O tempo é muito lento para os que esperam
Muito rápido para os que tem medo
Muito longo para os que lamentam
Muito curto para os que festejam
Mas, para os que amam, o tempo é eterno”

(Autor desconhecido)

Ah, o amor… sempre ele. Aparece nas nossas vidas quando a gente menos espera e, então, custa a sair. Mas quando sai, jamais é para sempre. Ainda bem.

O amor, talvez, seja a maior inspiração dos artistas. E é justamente dessa fonte que bebem as obras da mostra Colección Visible – Histórias de Amor. Em 2004, na Espanha, enquanto o governo local debatia a liberação do casamento entre pessoas do mesmo sexo, o artista plástico Pablo Periado reuniu 170 trabalhos vindos de 25 países que defendiam a liberação.

Obra de Esther Rivuelta - Si, Quiero, de 2005

Gravura de Esther Rivuelta - Sí, Quiero, de 2005

Em 2008, no Brasil, algumas dessas obras – entre pinturas, fotografias, quadrinhos, colagens e gravuras – foram escolhidas para exibição no Museu de Arte Contemporânea da USP, o MAC. “São 90 obras que refletem a característica da coleção: tratar exclusivamente do desejo e da sexualidade humana em sua face mais abafada, a do amor entre iguais”, como bem aponta a organização do evento.

Para Pablo Peinado, curador da mostra, “a Colección Visible é um antídoto cultural contra a homofobia, a lesbofobia e a transfobia. É arte cúmplice de uma causa justa. A causa da liberdade e da democracia. A causa de todos os seres humanos de terem, no amor e em tudo o mais, os mesmos direitos”.

Ocorre, também no MAC, a exposição “Entre Amigos & Amores”, que convida o visitante a olhar para 100 imagens do fotógrafo Pedro Stephan – especializado na temática homossexual -, tiradas em diferentes locais da cena LGBT fluminense.

As duas montagens são parte da programação do 4º Congresso da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura (que aconteceu entre os dias nove e doze de setembro) e do 1º Encontro Hispano-Brasileiro de Militantes Homossexuais, que acontece, também no MAC, até o dia nove de outubro.

As exposições têm temática adulta, por isso, são recomendadas para maiores de 18 anos.

SERVIÇO:

Colección Visible – Histórias de Amor
Onde: Parque do Ibirapuera, Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº, Pavilhão da Bienal, 3º andar, tel: 5573-9932.
Quando: De terça a domingo, das 10:00 às 18:00. Até 19/10.

O Tudo Por Nada tem o objetivo de explorar diversas culturas e divulgá-las para que todos tenham mais conhecimento, então segue uma dica diferente, descobrir mais sobre uma dança bem tradicional espanhola: o flamenco e de um jeito bem prazeroso, através do cinema.

O Espaço Cultural Instituto Cervantes exibe filmes que mostram de diversas formas o flamenco e sua repercussão mundial.

Vale a pena conferir!

01/09/2008 – segunda-feira às 18hs: Ar meno un quejío

02/09/2008 – terça-feira às 18hs: Morente sueña la Alhambra

03/09/2008 – quarta-feira às 19h40: El certamen

03/09/2008 – quarta-feira às19hs: Bailaores

04/09/2008 – quinta-feira às 18hs: La Leyenda Del Tiempo

Instituto Cervantes – Auditório: Flamenco Documental
Av. Paulista, 2439 – Térreo – Bela Vista
(11) 3897-9609