Ontem eu falei sobre duas peças de teatro que podem ser vistas nesse final de ano (corra que ainda há tempo). E não é que eu acabei gostando dessa idéia de “dose dupla”? Mas dessa vez as minhas dicas culturais não têm relação com o teatro, mas, sim, com a literatura.

jose-saramagoGostaria de, primeiramente, comentar sobre a exposição José Saramago – Consistências dos Sonhos, que acontece até o mês de fevereiro no Instituto Tomie Ohtake. Em homenagem ao brilhante autor português (vencedor do Prêmio Nobel de Literatura de 1998), a mostra apresenta cerca de 500 documentos originais, entre obras inéditas, primeiras edições, manuscritos, notas pessoais, fotografias e vídeos dedicados à sua vida e obra. A curadoria cabe ao português Fernando Gómez Aguilera.

Onde: Av. Faria Lima, 201, Pinheiros, tel: 2245-4900.
Quando: De terça a domingo, das 11:00 às 20:00. Até 15/2.

Fecha nos dia 24 e 25 de dezembro*

Após apresentar o que há de melhor na literatura portuguesa, eu não poderia deixar de fazer o mesmo com a brasileira. Portanto, não perca a chance de visitar a mostra Machado de Assis – Mas Este Capítulo Não É Sério, em cartaz até fevereiro no Museu da Língua Portuguesa. Inspirada no livro “Memórias Póstumas de Brás Cubas“, ela é dividida em onze ambientes – ou capítulos. Fotos, vídeos, textos e áudios mostram aspectos biográficos e a obra machadiana.

Onde: Praça da Luz, s/nº, tel: 3326-0775.
Quando: Todo sábado, das 10:00 às 17:00. Até 28/2.

*Fecha nos dia 24 e 25 de dezembro*

Machado de Assis

Machado de Assis

"Dom Casmurro"

cartaz do filme

O Centro Cultural São Paulo traz de 18 a 23 de novembro um ciclo de filmes, produções audiovisuais e debates que celebram a semana da comemoração do Dia da Consciência Negra e homenageiam Machado de Assis, no ano de centenário de sua morte.

Vale a pena conferir para conhecer mais da obra de Machado e perceber o quanto seus contos, romances e crônicas ainda são tão atuais.

Rua Vergueiro, nº 1000 – pertinho do metrô Vergueiro
Sala Lima Barreto (110 lugares)
(11)3383-3402
ENTRADA FRANCA – retirar ingresso com 1h de antecedência

Quando falamos de literatura infantil, é impossível não pensar em Monteiro Lobato. Até hoje, o autor continua influenciando crianças em todo o país com sua narrativa fantástica e lúdica. Que atire a primeira pedra quem, em sua infância, nunca desejou ter um pouco do pó de pirlim-pim-pim.

Um ótimo programa para incentivar seu filho a ler

Um ótimo programa para incentivar seu filho a ler

Mas, claro, a literatura infantil nacional não é só feita de Monteiro Lobato. E é justamente para explorar esse assunto, que acontece no próximo dia 18 de outubro, na Biblioteca Temática Belmonte a palestra Cultura Popular e Literatura Infantil. A conversa será com o professor da USP e doutor em lingüística pela UNESP José Nicolau. No encontro, o professor versará sobre as conhecidas narrativas infantis de nossa cultura popular, com seus mitos e personagens marcantes.

E já que você vai até a biblioteca para assistir à palestra, eu recomendo consultar o rico acervo bibliográfico que ela possui sobre cultura popular brasileira. Aproveitando o clima de nostalgia, nada melhor do que reavivar o velho hábito de procurar livros em estantes reais.

SERVIÇO:

Cultura Popular e Literatura Infantil
Onde: R. Paulo Eiró, 525, Santo Amaro, tel:5687-0408.
Quando: Sábado, dia 18, às 09:00.

Mas que santo

Embate político-religioso dá o tom da peça

Como eu já disse em mais de uma oportunidade aqui no blog, o que faz de William Shakespeare ser tido como gênio é o fato de que várias de suas obras são clássicos da dramaturgia e da literatura mundial. Justamente por isso são atemporais e podem ser reproduzidas continuamente ao longo do tempo, sob os mais diferentes enredos.

A peça de hoje, O Santo Milagroso, é, de certa forma, uma versão interiorana do clássico Romeu e Julieta. Além disso, carrega uma boa história de moral, que ensina a respeitar as diferenças. Em uma cidade do interior, acontece um conflito entre religiões, exploração da fé e manobra política. O afilhado de um padre católico e a filha de um pastor evangélico, apaixonados entre si, vêem a trajetória de confusões causada pela divisão das duas família, numa época em que era forte a intolerância religiosa.

O espetáculo será apresentado na próxima terça-feira, dia 14, às 20:00, no Teatro Arthur Azevedo.

SERVIÇO:

O Santo Milagroso
Onde: Av. Paes de Barros, 955, Mooca, tel: 2605-8007.
Quando: Dia 14/10, às 20:00. Duração de 90 minutos. 10 anos.

dando voz à periferia...

Ferréz: dando voz à periferia...

Você sabe o que é literatura marginal? Classifica-se nessa categoria, toda produção literária oriunda das minorias, que geralmente são marginalizadas ou negligenciadas pela grande parte da sociedade. Aqui no Brasil, um de seus maiores expoentes – senão o maior – é Ferréz, escritor, apresentador do quadro Interferência, no programa Manos e Minas da TV Cultura, e autor de livros como Capão Pecado e Manual Prático do Ódio.

Portanto, não poderia haver pessoa mais capacitada para dar a palestra Café Cultural: O Que é Literatura Marginal?, que acontece no próximo dia 12, às 17:00, no Centro Cultural da Juventude, como parte da programação do Festival CCJ Independente. As inscrições devem ser feitas na recepção do CCJ.

SERVIÇO:

Café Cultural: O Que é Literatura Marginal?
Onde: Av. Dep. Emílio Carlos, 3641, Vila Nova Cachoeirinha, tel: 3984-2466
Quando: Dia 12/10, às 17:00. 50 vagas.

+ de CCJ INDEPENDENTE

Quem é que nunca sonhou em ser aquele galã da novela das oito nove apenas para poder contracenar um beijo de língua técnico com a Vera Fisher ou com a Malu Mader? Ou então, para que não me chamem de machista, quem nunca se pegou imaginando-se nos braços do Fábio Assunção ao som de Roberto Carlos?

A arte do teatro fascina qualquer um

A arte do teatro fascina qualquer um

Pois é, leitores e leitoras, a profissão de ator sempre atraiu a imaginação das pessoas devido ao glamour que ela proporciona. No entanto, é preciso sempre ter em mente tudo o que vai por trás do processo de dramaturgia. Não basta ter apenas um rostinho bonito para fazer sucesso. É preciso ter talento, o que envolve bastante estudo e preparação.

É justamente isso que motiva a Oficina de Literatura e Ação – Criação e Introdução à Dramaturgia, que o Centro Cultural São Paulo promove do dia 16/10 ao 4/12. Por meio de textos teóricos e exercícios práticos, os participantes gradativamente se aproximam do texto teatral, fazendo um paralelo entre linguagem dramatúrgica e as outras linguagens literárias, como a poesia, o texto jornalístico e a prosa.

Se você curtiu a idéia, mas prefere algo mais genérico, então não perca a Oficina de Leituras/Escritas – (trans)posições, também no CCSP e no mesmo período da anterior. Aqui, algumas modalidades de escrita serão abordadas como poesia, prosa, texto jornalístico, redação de cartas, etc. o Objetivo é estimular a criatividade. Os exercícios realizados durante a oficina serão postados em um blog.

SERVIÇO:

Oficina de Literatura e Ação – Criação e Introdução à Dramaturgia
Onde: R. Vergueiro, 1000, Paraíso, tel: 3383-3436.
Quando: Todas as quintas-feiras, das 19:00 às 22:00. Inscrições até 10/10, das 10:00 às 17:00, pessoalmente e por ordem de chegada. Total de 25 vagas. A partir de 14 anos.

Oficina de Leituras/Escritas – (trans)posições
Onde: Onde: R. Vergueiro, 1000, Paraíso, tel: 3383-3436.
Quando: Todas as quintas-feiras, das 19:00 às 22:00. Inscrições até 10/10, das 10:00 às 17:00, pessoalmente e por ordem de chegada. Total de 30 vagas. A partir de 14 anos.

São Paulo é uma das cidades mais famosas do mundo. É cenário de três atuais novelas brasileiras. De uma série de TV por assinatura. É nome garantido em edições de todos os jornais nacionais, independentemente da região. É tema de incontáveis livros e, o mais importante, deste blog. Enfim, São Paulo está em todo lugar. São Paulo é onipresente.

São Paulo abriga todo mundo. Por isso, leva vocação para tudo. Se o assunto for restaurante, existem os de todo tipo: franceses, japoneses, vietnamitas, tailandeses, mineiros, árabes… Baladas? Há para todos os gostos: as mais calmas, as mais agitadas, as barulhentas, as românticas, as assustadoras. Em São Paulo existe tudo. São Paulo é onipotente.

São Paulo é o centro do mundo. Do meu mundo, pelo menos. Mas de outros também. É o centro financeiro brasileiro, centro cultural, centro econômico, centro gastronômico, centro artístico, centro industrial… Por São Paulo passa tudo. São Paulo é onisciente.

Uma boa idéia da cidade!
Uma boa idéia da cidade!

São Paulo é onipresente, onipotente e onisciente! Mas São Paulo não é Deus. São Paulo é simplesmente ela. Um lugar em que ocorre de tudo, em todos os momentos, em todos os lugares, para todos os tipos de gente. São Paulo é universal! São Paulo é bem legal!

Toda essa enrolação tem um motivo: somente um texto superlativo assim para explicar uma das sacadas mais bacanas do governo da cidade nos últimos tempos: as bibliotecas temáticas. Em 2006, o Sistema Municipal de Bibliotecas pôs em prática o projeto Bibliotecas Temáticas de São Paulo. O objetivo é criar ações específicas de acordo com o tema de cada uma delas. Cada local foi escolhido levando-se em conta a história e a vocação de cada unidade. A Biblioteca Cassiano Ribeiro, localizada no bairro de Pinheiros, foi escolhida para sediar o tema “música”, já que no bairro localizam-se diversos cursos musicais, lojas de instrumentos e locais de descontração.

Cada unidade mantém, também, livros que não dizem respeito ao tema proposto, para que o lugar não seja frequentado apenas por um público específico, mas seja, de fato, uma biblioteca aberta a toda a comunidade que precise consultá-la. Ainda, eventos gratuitos relacionados com a temática da unidade acontecem frequentemente nos locais. Para ver a programação de cada uma das bibliotecas, entre aqui.

Veja abaixo a lista de bibliotecas temáticas:

Biblioteca Alceu Amoroso Lima Poesia
Biblioteca Belmonte
Cultura Popular
Biblioteca Cassiano Ricardo
Música
Biblioteca Hans Christian Andersen
Contos de Fadas
Biblioteca Mário SchenbergCiências

Biblioteca Raul BoppMeio Ambiente
Biblioteca Roberto SantosCinema
Biblioteca Viriato CorrêaLiteratura Fantástica